EMBALOS DE SÁBADO À TARDE

Balada com 'open bar' de sorvete e refrigerante agrada a pais e jovens

 

Thiago da Hora

 

O público já abarrotava a fila do Eazy Club quando cheguei ao local, no bairro da Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo. Ansiosos e animados para o início da festa, já estavam todos devidamente preparados para a curtição. Entre 'selfies' e 'snaps', as moças exibindo seus trajes de noite e maquiagem pesada se agrupavam com as amigas para planejar como seria a festa, enquanto observavam os rapazes na fila à procura de possíveis pares.

 

Os rapazes, esses vestidos com o que há de mais novo na moda daquela semana, também se organizavam com seus devidos grupos para saber o que fariam quando a festa começasse.

 

A cena descrita poderia muito bem ter ocorrido em frente a qualquer uma das milhares de casas noturnas espalhadas por São Paulo. Mas não se engane! Estamos em um lugar um pouco diferente do que você está imaginando. Estamos na Eazy Teen Club, matinê quinzenal promovida pela casa noturna, direcionada exclusivamente para o público entre 13 e 17 anos.

 

A Eazy Teen Club está entre as raras opções de entretenimento para o público jovem que busca algo fora do tradicional cinema de shopping, até então a principal opção para diversão na cidade. Com cara de balada adulta, a festa agrada seu público por lhes permitir algumas horas de liberdade.

 

Com segurança pesada e público restrito, agrada aos pais por saberem que seus filhos estarão em um ambiente controlado e seguro. Linda, mãe de dois frequentadores assíduos, de 13 e 16 anos, diz se sentir mais tranquila sabendo das regras da casa. "Não me preocupo tanto porque é uma balada que não tem bebida alcoólica, e as pessoas que a frequentam são do nível dos meus filhos. Não são pessoas que ofereçam perigo", diz.

 

No dia de nossa visita se apresentaram os funkeiros MC Pikachu e MC Don Juan, ambos entre os mais novos cantores do gênero atualmente em atividade. Porém, a iniciação precoce na "vida noturna" tem apavorado pais pouco acostumados com essa mudança de comportamento.

 

Até mesmo Renata, que diz ter sido baladeira, confessa ainda não saber como lidar com sua filha Geovana, de 14 anos, frequentar a festa pela primeira vez. "Na minha época, nessa idade, já ia para balada. Mas era totalmente diferente. O comportamento das pessoas era diferente. Hoje tem muita maldade".

 

Com pais cada vez mais compreensivos, concedendo mais liberdade para frequentar baladas, os jovens ganham confiança para explorar e curtir, mas sem deixar de ficar sob os olhos atentos de suas mães, sempre à espreita para guardar seus filhotes. Silvania era uma delas. Mãe do jovem Rafael, de 13 anos, ela estava atenta a tudo a sua volta. E fez questão de permitir que seu filho entrasse na festa somente após ele ouvir suas valiosas recomendações. “Não aceite nada de ninguém! Nem uma bala, nem carona!”.

 

Com suas especificidades e peculiaridades, a Eazy Teen Club é a cara da mudança pela qual a juventude está passando. Com o amadurecimento cada vez mais rápido, os pais podem até se desesperar, mas seus filhos querem mesmo é se divertir.